Entenda a diferença entre Vesting x Stock Option

Você é um empreendedor que possui uma Startup ou que tem em sua pretensão um dia fundar uma empresa como esta? Perguntamos porque se você estiver inserido em alguma dessas duas situações certamente já ouviu falar mais de uma vez sobre os termos Vesting e Stock Option.

 

Se formos colocar em balança sobre qual desses dois termos são mais frequentemente utilizados por você ou por quem já possui uma Startup, provavelmente a terminologia Vesting ganharia, isso porque o Stock Option pode referir-se a um Vesting.

 

Neste artigo pretendemos indicar para você qual é a diferença entre Vesting x Stock Option. Mas antes de entrarmos nesta discussão, é necessário que você compreenda na totalidade o significado de Vesting.

Então é sobre Vesting especificamente que passaremos a tratar agora!

 

O que é Vesting?

 

O termo Vesting tem sido atualmente bastante utilizado no ambiente das startups, e aqueles que já utilizam certamente já tem um conhecimento sobre o tema. Porém, aqueles que só ouviram falar provavelmente já tem despertado o interesse em implantar isso em seu negócio.

 

Mas afinal de contas, será que mesmo os que já empregam o vesting em sua Startup sabem tudo o que deveria saber sobre o assunto? E aqueles que ainda não empregaram, saberia dizer se isso é indicado para o seu negócio, e quais riscos que isso pode trazer para sua empresa?

 

A ideia aqui não é assustá-lo ou aumentar a quantidade de dúvidas, mas apenas despertar ou mesmo aumentar o seu interesse por esse tema.

 

A princípio, ‘vest’ significa adquirir algum direito ou alguma propriedade, isso em inglês. Então agora ficou fácil entender o sentido da palavra vesting. Então vejamos:

O termo vesting passou a ser utilizado para determinar aquela ação em que algum funcionário de uma certa empresa consegue adquirir, com o passar do tempo, algum direito em relação as ações dessa empresa.

 

Percebeu como é bem simples o significado desse termo? De fato é, e é bastante utilizado para fazer um incentivo e até mesmo segurar os funcionários em uma empresa. As Startup veem isso como um bom negócio.

 

Como posso fazer Vesting?

 

Depois de ler tudo isso, certamente seu interesse pelo vesting aumentou ainda mais principalmente se você possui uma Startup com pouco dinheiro e que precisa reter pessoal qualificado e comprometido com o negócio.

 

Para fazer o vesting é necessário o Contrato de Opção de Aquisição de Participação Societária. Com este contrato fica acertado que progressivamente ao longo de seu trabalho na empresa um determinado funcionário poderá, mediante uma opção pessoal, adquirir um percentual de participação acionária da empresa.

 

E o que contém nesse contrato?

 

O Contrato de Opção de Aquisição de Participação Societária deve conter basicamente as seguintes informações:

 

– o prazo cliff, que regulamenta o período mínimo em que o funcionário poderá optar por adquirir um percentual de participação;

 

– o percentual de participação a que o funcionário terá direito;

 

– o valor a ser pago pelo funcionário para adquirir esse percentual de participação;

 

– ações contratuais de perda ou término do direito de adquirir a participação;

– outras informações em caso de falência da empresa.

 

Uma vez conhecido o que é vesting e se ele é aplicável ou não para sua empresa, bem como a forma de aplicá-lo, então é hora de sanar a dúvida sobre a diferença entre Vesting x Stock Option. É sobre esta questão que passaremos a tratar agora!

 

Conheça agora a diferença entre Vesting x Stock Option

 

A maior parte das startups são empresas do tipo Sociedade Limitada e sobre elas cabem perfeitamente o emprego do vesting tal qual nós tratamos neste artigo.

Porém, quando nos referimos a uma Sociedade Anônima (S.A.), então estamos falando de um vesting do tipo Stock Option. Essa, portanto, é a diferença básica entre Vesting e um Stock Option. Veja que ambos se aplicam a tipos diferentes de empresa.

 

Mas outras diferenciações também são aplicáveis. Por exemplo, quando se trata de uma Sociedade Anônima, o funcionário terá igualmente o direito de adquirir o percentual de participação nas ações, só que estas ações terão um maior poder de liquidez.

 

Também é interessante destacar que em relação à governança, as ações adquiridas não irão conferir ao funcionário direitos totais de sócio.

 

Explicando melhor, os ganhos desse funcionário irão referir-se aos recebimentos de dividendos, ou então quando ele vender essas ações diretamente no mercado. Observe que esta ação revela uma situação bem diferente de aplicação do vesting.

 

Para entender perfeitamente, é necessário compreender que para uma Sociedade Anônima a palavra sócio tem um sentido diferente e os acionistas possuem uma maior liberdade para vender as ações no mercado.

 

Ainda é necessário destacar que pelas regras de governança admitidas pelas leis brasileiras, aqueles acionistas da Sociedade Anônima que possuem mais de 50% do capital da empresa podem perfeitamente controlá-la.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *